02/12 | A Difícil Arte De Dizer Não!

Por:
Anna Flávia de Abreu Macari

É mais difícil aceitar um “não” doloroso ou ter que se encher de forças para dizê-lo quando falar um sim seria, tão sensivelmente, mais fácil? Não sei a resposta. Eu achava que dar um não era mais difícil, mas fiquei imaginando o não recebido e sei que ele, também, dói e muito, em alguns casos. Porque ele nos coloca cara a cara com o lado mais frágil do nosso ser, nossa criança indefesa. Vale a pena se preparar para ele. Perceba que o não na nossa cultura é tão negativo que nos intimida. 

Eu, por exemplo, estou, aqui, escrevendo esse texto, com medo da rejeição, por parecer "grosseira" falando sobre posicionamento. Alertar ou falar abertamente sobre "não aceitar" tudo que nos impõem, às vezes, soa como inadequado, como se a comunicação fosse violenta por expor um ponto de vista que confronta o bonitinho, normalzinho e politicamente correto. Por isso, tentando ser mais objetiva, hoje, quero falar sobre aquele não que nos liberta. O não do mundo dos negócios. O não positivo. Aquele não caloroso, perscrutador, silencioso, respeitador, admirável, sucinto e, até mesmo, elegante. E que, algumas vezes, não é entendido. Nem quero entrar no mérito da questão, puxando toda uma retórica masculina abusiva, e sim, vou apenas pensar no lado motivacional do tema, para te fortalecer a ser amiga do “não”e não ser errada por isso. 

Você empreendedora, sabe que dentro da difícil arte de liderar, que é ter que escolher, muitas vezes, escolher o “não”, quando todos os espectadores querem seus “sim” permissivos e abusivos, é um caminho sem volta.  Te faz parecer um carrasco, sem coração e sem limites. E não se assuste, é um rótulo normal para quem conhece seus limites. Acostume-se. Um não bem dado, diferentemente do que parece, muitas vezes, é o maior e melhor ato de amor-próprio que você pode fazer por você. Ele vale mais que presentes, afeto e consumismo. E, é claro, que as pessoas não querem o seu não. Elas querem você escravizada nos relacionamentos, dedicada nos negócios, aterafada, cansada e rendendo muito, sem se preocupar se isso é doentio. E como você se sente com isso? Bem mal.  Por isso vou dar dica de alguns “nãos” que podem mudar sua vida, sua saúde mental e sua carreira, para melhor. Se liga!

 

1- Não seja escravo das mídias sociais 

Eu percebo que, nos últimos tempos, com a Mídia Digital em alta, onde muito tempo é investido em satisfazer uma imagem, em um mundo sem dono, onde você pode fingir, julgar e mentir descaradamente, muitas pes-soas esquecem desse mesmo “não” e perdem seus limites. Ter um relacio-namento social, seja On ou Off-line, é de fundamental importância para seu mailing de negócios, clientes, consumidores , fãs, admiradores e seguidores positivos. Mas, convenha-mos, toda a sua dedicação para obter likes e atenção, não vão preencher sua falha em se priorizar, se proteger, se promover ou se valorizar. Até mesmo os clientes sentem quando alguém está perdido nos limites. Desculpa se essa verdade doeu! Acorde para aceitar que a massa é crítica em ofender, cobrar e denegrir imagens e não pense você que, todos os “sins” que você disse, vão amenizar um “não” revoltado seu. Portanto, come-ce agora seu trabalho de autoconhe-cimento, saiba lidar com seus medos, anseios, dons, talentos e, até mesmo, a sua limitação. Saiba se posicionar para não ter trabalho redobrado na recons-trução da sua imagem no meio do caminho. Querer agradar demais, não soa positivo e, ainda, te traz muita dor de cabeça e ansiolíticos. 

 

2- Não tolere cliente sem noção! 

Aprenda que clientes são importantes, lógico! Eles são a engrenagem de um negócio... Mas você e sua vida, são mais. 
Por isso, se começar a se sentir desvalorizada, desmotivada e infeliz, admita a ideia de demitir clientes da sua vida! Brincadeiras à parte, mas a ideia é desistir daquelas pessoas desaforadas. Abandoná-las conscientemente. É um passo na sua vida e, se essas pessoas forem clientes, será um passo na sua carreira. Diga não!
Tem uma máxima que nos lembra: “cliente sempre tem razão”, ou seja, não se discute com ele, pois não vai adiantar. Não é que ele tenha razão, mas você deve fingir que ele tem, ponto. Nas Mídias Sociais, então, triplique essa máxima. Tentar agradar ou bater-boca só vai levar sua imagem por água-abaixo. Portanto, sugiro, não queime seu filme. Não perca esse tempo! Não estou dizendo que você deve não analisar o que eles sugerem, mas tem clientes que passam longe do limite do bom senso e, sim, se precisar ser mande-os embora, imediatamente. 
Analise se esses clientes são abusivo, se eles te exigem muito mais do que pagam para obter. Criticam mais que elogiam e cobram atenção da empresa de maneira desdobrada, fora de horário comercial e de forma muito aproveitadora. Experimente cobrar um valor muito além do que eles pagariam, pois normalmente, os abusivos só pensam em si mesmos e, obviamente, eles, ainda, irão julgar o seu preço. Sem dúvidas, sua total e zelosa atenção, custará caro para eles e o preço que você precisa pagar para atendê-los, custará muito mais, ainda, para a sua Inteligência Emocional. Portanto, despeça esse tipo de pessoas. Sua vida vai melhorar e muito. Me conta depois. 

 

3- Não aguente tudo sozinha! 

Nós, mulheres, nascemos para empre-ender! Nós nascemos para realizar. O nosso papel é dar à luz, dar a vida, fazer e acontecer. Mas, entre o fazer e o acontecer, há muito mais. Para realizar, muitas vezes, você precisa esperar, investir, priorizar, definir, atrair, posicionar, liderar, criar estratégias, persistir, repetir, inverter, reconsiderar, influenciar, chorar e recomeçar, várias vezes. O nosso papel de mulher e de empre-endedora é plural e cansativo, mas é possível. Desde que você aprenda a usar o “não” ao seu favor. Não se permita deixar de ouvir sua voz interna, a voz do seu coração, antes das suas decisões. Portanto, não se deixe abalar com as dificuldades, converse com outras mulheres sobre isso. Não desista. Não reclame! Aceite que é melhor seguir o fluxo e não nadar contra a correnteza. Se molde e diga muitos nãos. E diga um SIM bem grande para a sua força interna. Você é capaz de mudar a sua vida, a sua história e a sua carreira. 
Enfim, nunca diga “sim” para quem não é capaz de conviver com o seu não. E tenho dito! 

 


Voltar
Ao navegar neste site está ciente de nossa Política de Privacidade.
Concordo